close
O que é uma empresa disruptiva?
Empresas ou PME

O que é uma empresa disruptiva?

Photo by Alex Knight on Unsplash

Já faz algum tempo que o termo “disruptivo” é simplesmente um dos mais usados no universo das startups, por estar associado a inovações que promovem mudanças radicais de paradigmas, seja em termos de produtos, serviço, tecnologia ou modelo de negócios.

Só que as invenções disruptivas são uma minoria quando comparadas a outros tipos de inovações existentes.

Ao contrário de uma tecnologia que melhora a performance de produtos já estabelecidos, a tecnologia “disruptiva” introduz produtos com novas características, substituindo o modelo vigente no mercado. Por isso não podemos associar o termo com o aperfeiçoamento de tecnologias existentes.

Segundo a Wikipedia, “o termo tecnologia disruptiva tem sido usado como sinônimo de “inovação disruptiva”, mas há quem considere o último mais adequado, pois uma disrupção do mercado não é causada diretamente pela tecnologia, e sim pelo modo como ela é aplicada. O termo “tecnologia disruptiva” foi cunhado por Clayton M. Christensen, professor da Harvard Business School. Foi apresentado primeiramente no artigo “Disruptive Technologies: Catching the Wave”, de 1995, escrito em coautoria com Joseph Bower. O texto era um artigo de divulgação científica, voltado ao público executivo, e não um artigo acadêmico stricto sensu.”

E na prática o que significa tudo isso?

Basicamente todas inovações disruptivas de sucesso têm algumas coisas em comum:

1) Extinguem ou substituem modelos existentes muito rapidamente.

2) Mudam o mercado ao resolver um problema importante para pessoas ou empresas.

3) Causam uma mudança comportamental: o usuário final se adapta à nova tecnologia e não consegue mais viver sem ela.

4) Algumas vezes enfrentam problemas jurídicos justamente por serem algo novo que não está previsto em Lei.

Então, hoje em dia dá para imaginar um mundo sem WhatsApp? Sem Uber? Sem Waze? Essas são apenas algumas das empresas que mudaram radicalmente nossa forma de viver e de pensar a tecnologia. E, por isso, também servem de parâmetros para compreender o que caracteriza uma inovação disruptiva.