close
Algumas coisas que sua startup pode aprender com a Apple.
Empresas ou PME

Algumas coisas que sua startup pode aprender com a Apple.

Em qualquer negócio, o marketing tem uma importância indiscutível. Um exemplo clássico é a Apple. O que seria dessa marca sem o símbolo da maçã estampado em todos os produtos com design clean e moderno?

Só que a “maçã” é apenas um elemento do marketing da Apple. Uma empresa que, há décadas, se mantém como uma das marcas mais valiosas do mundo, mesmo quando seus produtos já não são mais tão revolucionários.

Mais do que um engenheiro que não terminou a faculdade, Steve Jobs era também intuitivamente um designer e publicitário. Ele conseguiu dar forma a todas invenções da Apple seguindo uma identidade que até hoje é possível de ser reconhecida nos produtos da marca.

A Apple sempre foi campeã em design e marketing, por isso até hoje continua incomodando os concorrentes altamente tecnológicos – alguns inclusive mais avançados.

Apesar de ser um exemplo antigo, a Apple é interessante justamente por isso: é uma marca que, mesmo com o tempo, continua valendo bilhões.

Com a Apple, podemos aprender algumas coisas.

1) O marketing começa na concepção dos produtos ou serviços. É preciso ter diferenciais absolutamente claros em relação a seus concorrentes. E isso deve estar implícito em todos os detalhes. Steve Jobs sempre foi coerente com sua proposta de design clean, criativo e elegante. Como um exemplo extremo, ele nunca usou roupas coloridas em suas apresentações justamente para manter esse rigor estético que era o DNA de sua marca. Escolher um caminho e segui-lo com convicção faz parte do processo. Por isso, mesmo que sua empresa esteja no comecinho, fique atento a todos os detalhes que poderão fazer sua empresa valer uma fortuna.

2) Os donos do negócio são mais importantes que os profissionais de marketing na concepção e definição de marca, porque são eles que vão dizer sim ou não para qualquer ideia. Por isso, não importa o segmento de atuação, quem empreende precisa estudar (leia livros, muitos livros) e ter noções (mesmo que intuitivas) de marketing, porque no final o “marketing” é como deixar uma marca atraente, confiável, sexy e facilmente vendável. Ter critérios faz toda a diferença.

3) Não subestime o poder da simplicidade. Steve Jobs construiu algo simples usando inteligência. Por isso, o minimalismo da Apple é altamente sofisticado. Ou seja, não complique a mensagem que deseja passar ao consumidor, seja no produto, seja não comunicação.

4) Não copie a Apple, nem outra marca que você ama. Em vez disso, aprenda com elas para construir algo novo e único. Busque referências antigas e atuais para fazer o exercício de benchmark e, claro, buscar um caminho autêntico.

5) Seja obsessivo com os detalhes que importam. Você precisa pensar em como o consumidor será impactado pela sua marca em todos os momentos e pontos de contato. Não é por acaso que a gente sente pena de jogar fora as embalagens da Apple =)

Seja detalhista e organizado em tudo: seja na concepção do produto, seja na contabilidade, seja nos contratos. Certamente nas ocasiões em que passou por processos de “due diligence”, a Apple conseguiu ser “clean” em todos os aspectos para, afinal, ser considerada como oportunidade de negócios pelos investidores e acionistas que a ajudaram se transformar nessa marca tão poderosa.